Mulher relata agressão dentro de loja após ser acusada injustamente de furto: ‘Pensei que sairia morta’

Foto: Luciana Moledas/G1

A dona de casa Maria do Socorro da Silva, de 54 anos, afirma que foi acusada injustamente de tentar furtar uma loja em São Vicente, no litoral de São Paulo, e posteriormente agredida pela proprietária do estabelecimento e pelo filho dela. A vítima registrou um boletim de ocorrência por calúnia e lesão corporal. A loja não quis se posicionar sobre o ocorrido.

Um vídeo feito pelo filho da dona da loja e divulgado pela própria proprietária do local mostra os dois falando para que Maria “assumisse que furtou, ou apanharia de novo”, apesar de a dona de casa tentar explicar por diversas vezes que não cometeu o crime (veja acima).

A mulher relata que entrou no estabelecimento no sábado (3), no bairro Jardim Rio Branco, para comprar vasos e flores para um evento da igreja que frequenta. Quando estava no interior da loja, o filho da proprietária desconfiou que ela estava furtando produtos, e chamou a mãe. “Eu estava com uma sacola na mão, que continha fralda e um macacãozinho dentro. Quando estava vendo as flores, a mulher [dona do local] pegou a sacola da minha mão, puxou e rasgou, e arrancou a flor que eu segurava, começou a me espancar, eu até caí no chão”, afirma.

Após a agressão, ela afirma que a comerciante a levantou e passou a flor em seu rosto, falando que ela teria que assumir o furto, e que chamaria a polícia. “O filho da dona filmou ela esfregando a flor na minha cara, dizendo que eu tinha que falar que furtei, e eu explicando que estava escolhendo uma flor. Ela falou que eu tinha roubado lá, e também as coisas que estavam na minha sacola, sendo que eram coisas que eu tinha comprado em outro lugar”, diz.

Em seguida, a proprietária acionou a PM, e assim que os policiais chegaram, pediram que ela entrasse na viatura. “Eu falei que não era ladra, e que não iria entrar. E eu estava toda suja e machucada”, conta. A dona de casa passou mal na rua da loja, minutos após sair, enquanto os PMs ainda conversavam com a dona do local. Conforme registrado no boletim de ocorrência, amigos que reconheceram a agredida a socorreram, e depois acionaram o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Ela foi conduzida ao Pronto-Socorro Humaitá.

A vítima aponta que a autora das agressões publicou o vídeo que o filho gravou na loja, a acusando de furto, nas redes sociais, expondo seu rosto. Maria afirma que em momento algum colocou as flores na bolsa, e que apenas estava com algumas na mão, que tinha selecionado para comprar.

“Eu apanhei muito. Me bateram com um pau, chutes, tapa na cara, murro. Meu rosto estava inchado, puxaram meu cabelo. Tudo isso por uma acusação. Nunca imaginei que passaria por isso na minha vida. Eu moro na região há cerca de 30 anos, todo mundo me conhece. Ainda sinto muita dor nas costas, no rosto, braços”.

A vítima afirma que ficou com ferimentos nos lábios, braço, perna, dedo, e que uma parte do cabelo foi arrancada na agressão. Nas redes sociais, o caso gerou revolta. Centenas de internautas compartilharam o vídeo lamentando o ocorrido, e afirmando que conhecem Maria do Socorro, que ela já trabalhou muitos anos como doméstica e sempre teve respeito por quem conhecia.

A autônoma Carolayne Rodrigues, filha da dona de casa, soube do ocorrido por uma amiga da mãe. “Minha mãe não é ladra, todos conhecem ela no bairro. Meu sangue ferveu e fiquei com muita raiva e tristeza pelo que aconteceu com ela. Tentaram manchar a imagem da minha mãe, mas quem conhece ela sabe que ela jamais faria isso. Minha mãe está muito machucada ainda, e com vergonha até de sair na rua. Vamos procurar um advogado e tomar todas as providências sobre esse caso”, destaca.

A vítima registrou um boletim de ocorrência por calúnia e lesão corporal na Delegacia Sede de São Vicente. A reportagem foi até o estabelecimento, mas um funcionário informou que os proprietários não iriam se posicionar sobre o ocorrido. “Eu não queria ter passado por tudo isso, foi muita humilhação, triste e vergonhoso. Pensei que sairia morta dali. Agora, espero que a verdade seja exposta, e que tenha justiça. Ainda bem que muitas pessoas conhecem meu caráter”, finaliza Maria do Socorro.

Fonte: G1

Postado em 6 de julho de 2021