Laudo da polícia confirma que Lázaro é autor de estupro cometido no DF em abril

Um exame genético feito pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) mostra que Lázaro Barbosa de Sousa, de 32 anos, foi o autor do estupro de uma mulher, de 39 anos, no Sol Nascente, no dia 26 de abril deste ano. A informação foi confirmada pela delegada-chefe da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam II), de Ceilândia, Adriana Romana.

Segundo os investigadores, Lázaro arrombou a porta da casa, trancou pai e filho no quarto, roubou celulares e R$ 170 e levou a mulher para o matagal.

“Lá ele abusou da vítima de forma violenta e chegou a atirar para o alto. Depois, ele fugiu para o mato e ela conseguiu voltar para casa”, disse a delegada ao G1.

A delegada afirma que a confirmação da identidade do Lázaro veio tanto pelas digitais na casa das vítimas quanto pelo exame feito pelo Instituto de Pesquisa de DNA Forense (IPDNA). Os peritos confrontaram o material genético de Lázaro que já estava armazenado por causa de um estupro cometido em 2009, no DF.

Lázaro Barbosa foi morto por policiais na segunda-feira (28), em Águas Lindas de Goiás, no Entorno do DF, após uma perseguição que durou 20 dias após a morte de uma família em Ceilândia.

Em Brasília, Lázaro é alvo de pelo menos seis inquéritos que apuram crimes como homicídio, roubo e estupro. Entre as investigações em aberto, está a da chacina no Incra 9, em Ceilândia. Lázaro é o principal suspeito de matar quatro pessoas da mesma família.

Na casa onde moravam, foram assassinados com tiros e golpes de faca Cláudio Vidal, de 48 anos, e os dois filhos, Gustavo Vidal, de 21, e Carlos Eduardo Vidal, de 15. A esposa de Cláudio e mãe dos jovens, Cleonice Marques de Andrade, de 43 anos, foi sequestrada e encontrada morta três dias depois, em um córrego da região.

Segundo o delegado Raphael Seixas, responsável pela investigação da chacina, Cleonice foi morta com um tiro no crânio. Na última terça-feira (29), o delegado disse que o laudo da morte mostra “indícios de violência sexual”, e que Cleonice teve uma orelha cortada, “possivelmente enquanto ainda estava viva”. O delegado explicou que foram colhidos vestígios biológicos do corpo, que poderão confirmar se houve estupro.

O resultado dos padrões genéticos sairia até esta sexta-feira (2), conforme divulgado em entrevista coletiva. Entretanto, procurada, a Divisão de Comunicação Social da Polícia Civil do DF não informou o resultado e respondeu que “a investigação está sob sigilo judicial, não sendo possível passar essas informações no momento”.

A polícia ainda busca a motivação para o assassinato da família.

Uma das linhas de investigação é se Lázaro atuava na região de chácaras do Incra 9 a mando de fazendeiros, para expulsar famílias das propriedades.

Dos inquéritos em apuração no DF, cinco são de 2021 e um de 2009. Cinco investigações estão registradas na 24ª Delegacia de Polícia, localizada no Setor O, e uma na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher II – as duas delegacias ficam em Ceilândia, onde Lázaro morou.

Com a confirmação de que Lázaro foi autor do estupro contra a vítima no Sol Nascente, a delegada Adriana Romana explica que o inquérito será finalizado e encaminhado para a Justiça com a sugestão de arquivamento.

“A morte causa extinção da punibilidade. Já que não há suspeita de participação de terceiros nesse estupro, não tem mais o que se investigar”, disse a delegada.

Fonte: G1

Postado em 3 de julho de 2021