Após pressão de Salles, coordenador de Economia Verde é exonerado da Economia

A exoneração do coordenador de Economia Verde do Ministério da Economia, Gustavo Fontenele, está diretamente associada à pressão feita pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, devido a divergências sobre as regras que vão balizar a abertura do mercado de carbono e emissões no País.

A informação publicada pelo colunista Lauro Jardim, de O Globo, foi confirmada pela reportagem. Fontenele deixou o posto, por decisão de Carlos da Costa, secretário de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, após pressão de Salles.

A exoneração foi publicada no dia 10 de maio no Diário Oficial da União. Gustavo Fontenele vinha assessorando o governo em uma série de projetos estratégicos da área de infraestrutura, envolvendo processo de licenciamento ambiental.

Por meio de nota, a Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade afirmou que “a exoneração do servidor Gustavo Fontenele foi uma decisão interna, não relacionada a qualquer tipo de interferência externa” e que reforça seu “compromisso em favor de medidas que preservem a soberania do País, aumentem a competitividade e contribuam para a economia sustentável do Brasil”.

Ricardo Salles também não se pronunciou. Gustavo Fontenele não comentou o assunto. Questionado pela reportagem, o secretário Carlos da Costa disse que se trata de “fofoca” e que foi uma decisão interna. “Nunca falei sobre o assunto com o Salles”, comentou. “Fofoca, fake News, gente insatisfeita querendo fazer intriga”, declarou.

Desde o ano passado, Gustavo Fontenele vinha defendendo a criação do mercado de comercialização do crédito de carbono, tema que ainda depende de regras que garantam segurança jurídica da regulação.

Fonte: Info Money

Postado em 27 de maio de 2021