‘Fazia pelo menos uma redação por semana’, diz estudante potiguar de 17 anos que tirou nota mil no Enem

O potiguar Aécio Pinheiro Fernandes, de 17 anos, conseguiu tirar nota mil, a máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020. O resultado foi divulgado na segunda-feira (29). Ao lado dele, apenas outros 27 alunos entre os mais de 2,7 milhões que fizeram a prova em todo o Brasil conseguiram o feito, segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Para conseguir atingir o mais alto nível, Aécio Fernandes, que mora e estuda em Natal, disse que se preparou fazendo e corrigindo muitas redações ao longo do ano. Para ele, o grande segredo foi ser constante.

“Primeiramente, a constância de toda semana fazer pelo menos uma redação. E saber que toda vez que eu faço uma redação, tentar sempre melhorar, por meio de reescrita, análise de texto, e sempre fazendo questões, que é algo que ajuda bastante nas redações”, falou.

O compromisso de Aécio foi reforçado pela mãe dele, a médica Luciana Fernandes. “Ele é muito disciplinado. Então, ele cumpria rigorosamente o cronograma de estudo. E isso me surpreendia”, disse.

O estudante também falou que acumulou experiência ao prestar o Enem como forma de treinamento em dois anos anteriores, antes de chegar ao 3º ano do ensino médio.

Para a diretora pedagógica do colégio CEI Romualdo, onde o jovem estudou desde o início do ensino fundamental, foi preciso uma integração para que Aécio pudesse conseguir a nota máxima da redação.

“São fatores determinantes. A participação do aluno, que nesse caso é admirável desde sempre, em uma trajetória linda escolar, a participação da família e o empenho de uma equipe escolar muito dedicada”, disse Cristine Rosado.

Com a nota mil na redação, Aécio Fernandes agora foca em decidir durantes o próximos dias em qual curso superior vai tentar ingressar através do Sisu.

“Eu sempre tive muita dúvida sobre o que fazer, porque eu sou um cara que gosta de exatas e de natureza. Então eu sempre pensei em engenharia civil, medicina, engenharia elétrica, talvez. No início desse ano, eu fiz uma orientação profissional com uma psicóloga e isso me ajudou bastante a saber o que escolher e acho que eu estou mais inclinado a medicina”, falou.

A mãe, que é médica, diz que espera que o filho siga o que realmente desejar. “A gente espera que ele siga realmente o que tem vocação e que seja feliz na escolha. Tenho fé em Deus que o que ele escolher, vai se sair bem, pela disciplina que tem e pelo compromisso que assume”, disse Luciana Fernandes.

Desde 2018, as correções da Redação do Enem são feitas a partir de nota média de três corretores. Na edição de 2019, foram 53 notas mil na dissertação; na de 2018, 55. A queda de alunos nota mil na redação deste ano pode ser entendida pela alta taxa de abstenção em função da pandemia, segundo apontam alguns especialistas.

Fonte: G1 RN

Postado em 31 de março de 2021