O curraisnovense Theo Alves lança livro de crônicas sobre confinamento

O escritor e professor Theo Alves, lnascido em dezembro de 1980, em Natal, criado em Currais Novos e que mora em Santa Cruz, está lançando novo livro. “A Cartomante que Adivinha o Presente” reúne textos escritos ao longo de sete meses de pandemia que oferecem um recorte sobre vários aspectos particulares desse período.

Theo é colunista do Portal PN onde escreve aos domingos. Muitas das crônicas do livro foram publicadas pela primeira vez na coluna.

A obra foi premiada pela Lei Aldir Blanc através da Fundação José Augusto em edital que contemplava a publicação de livros. Além disso, a publicação semanal das crônicas no portal Potiguar Notícias também rendeu o Prêmio de Protagonismo Cultural ao autor pela mesma instituição, reconhecendo essas crônicas como material artístico importante para o enfrentamento da pandemia.

Os temas abordados pelas crônicas dizem respeito ao momento histórico singular pelo qual as pessoas estão passando, permitindo que os textos levem aos leitores uma possibilidade de reflexão e contemplação acerca destes tempos e de questões que os tocam: o isolamento, a saudade, as singularidades do novo contexto em que nos encontramos, as reações diante do que a pandemia nos trouxe, o sofrimento e a morte de milhares de vítimas.

Segundo o autor, “o processo de escrita sobre a pandemia e o confinamento serviram como catarse e respiro num momento tão difícil como este. As crônicas de ‘A Cartomante…’ são uma maneira de abraçar as pessoas enquanto precisamos nos manter isolados”.

O livro está em pré-venda e será lançado oficialmente no dia 4 de fevereiro, em live através do Facebook de Theo Alves. Os livros podem ser adquiridos diretamente com o autor através de suas redes sociais.

SOBRE O AUTOR

Foi premiado em concursos nacionais e locais tanto por sua prosa quanto pela poesia. Publicou os livros “Pequeno Manual Prático de Coisas Inúteis”, “A Máquina de Avessar os Dias” e “Doce Azedo Amaro”, todos de poesia; “Por que Não Enterramos O Cão?”, de contos. Theo também é fotógrafo e continua escrevendo, entre silêncio e barulho, por acreditar na palavra como um caminho possível e necessário.

Fonte: Potiguar Notícias

Postado em 20 de janeiro de 2021