Índice de isolamento no RN chega a 37% antes do Natal

Apesar do aumento de casos de Covid-19 no estado, o índice de isolamento social segue abaixo do recomendado. Mesmo com o aumento de casos de contaminação por Covid-19 no Rio Grande do Norte, o índice de isolamento social no estado está caindo a cada semana.

Nesta segunda-feira 21, por exemplo, a quatro dias para o Natal, o RN registrou uma taxa de apenas 37% de pessoas reclusas em casa, segundo dados do Mapa Brasileiro da Covid-19, mantido pela Inloco. O maior índice já registrado no estado foi de 57,7%, no dia 22 de março, dois dias após o Governo do Estado ter editado o primeiro decreto com medidas restritivas para o comércio.

Enquanto duraram as medidas, a média de isolamento foi de 50%. No entanto, esse índice vem caindo significativamente após a reabertura de restaurantes, bares, lojas, hotéis e igrejas, que aconteceu de forma gradual em julho.

Na semana que antecede as festas de fim de ano, quando o comércio e o setor hoteleiro tendem a ficar superaquecidos, há uma preocupação de que esse índice sofra uma queda ainda mais brusca. Segundo o professor e pesquisador José Dias do Nascimento Junior, do Departamento de Física da UFRN, os dados mostram que já existe uma segunda onda de contágio e que ela poderá ser ainda mais visível após as comemorações de Natal e Ano Novo.

“O RN teve uma piora considerável na situação de contágio justamente com as aglomerações causadas pelo fim do ano, que tendem a aumentar, ao passo de que a taxa de isolamento social tende a cair. É muito importante que a população, junto aos órgãos públicos, se conscientize da necessidade de manter o isolamento até que tenhamos a vacina em mãos”, reforçou José Dias.

A ocupação de leitos críticos está em 60% em todo o estado, com 142 unidades ocupadas, 85 disponíveis e 10 bloqueadas. Os leitos clínicos estão com taxa de 50,5% de ocupação, com 139 sendo utilizados, 113 disponíveis e 23 bloqueados.

A consulta foi feita pela reportagem na tarde desta terça 22, diretamente no Portal Regula RN. Foram registrados mais 771 casos confirmados de coronavírus no Rio Grande do Norte, totalizando 110.505 desde o início da pandemia no estado. Na segunda 10, eram 109.734 infectados.

Mortes

O número de mortes por Covid-19 voltou a assustar. Somente nos oito primeiros dias de dezembro foi registrada uma alta de 58,7% no número de óbitos em relação ao mesmo período de novembro. Foram 46 mortes até o dia 8, contra as 19 contabilizadas nos primeiros dias do mês passado.

Nesta terça 22, o RN chegou à marca de 2.884 no total. Foram quatro mortes nas últimas 24 horas, ocorridas em Natal, Parnamirim, Mossoró e Serra do Mel. Além disso, foram registrados outros sete óbitos ocorridos em dias anteriores após a confirmação de exames laboratoriais. Até segunda 21, foram contabilizados 2.873 mortos. Já os óbitos em investigação são 459, os casos suspeitos de Covid somam 54.905 e descartados são 262.087. Os potiguares recuperados são 59.105.

RN tem a melhor rede de assistência à Covid-19
Um conjunto de ações articuladas entre o Governo do Rio Grande do Norte e as prefeituras municipais propiciou uma melhoria na qualidade de atendimento aos pacientes acometidos pela covid-19, diminuindo, sobretudo, os casos de óbitos no estado.

Esse é um dos principais pontos abordados no mais recente relatório elaborado pela Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN) e que já está à disposição para consultas. Os dados indicam maior eficiência do estado potiguar frente aos outros estados do Nordeste.

Organizado por uma equipe de sete pesquisadores do LAIS, vinculados à UFRN e ao IFRN, o documento faz uma análise sobre a taxa de transmissibilidade em todo o RN e como a rede assistencial forneceu transparência para as ações planejadas e executadas pelo governo estadual no tocante ao enfrentamento da pandemia. O principal instrumento para se obter essa transparência é o RegulaRN.

Segundo a análise feita pelos pesquisadores, a capacidade de resposta do estado e dos municípios frente às solicitações de leitos e compartilhamento de informações foi melhor quando comparada com outros estados da região Nordeste.

“Somos um dos poucos estados da federação que juntamente com os municípios conseguiu organizar a rede assistencial para Covid-19 de fácil acesso e com monitoramento em tempo real pela imprensa e a população em geral”, argumentou professor Ricardo Valentim, um dos organizadores do relatório.

O documento também aponta para uma desaceleração gradual das solicitações por internações, fato relacionado com a redução da taxa de transmissibilidade no estado desde o início do mês de dezembro. Porém o documento alerta que ainda não é possível confirmar se essa queda é uma tendência. “Por isso, se torna cada vez mais imprescindível o cumprimento das medidas previstas nos decretos para o enfrentamento da pandemia em todo o Rio Grande do Norte”, finalizou o pesquisador.

Vacinação

O Rio Grande do Norte estará pronto para a campanha de vacinação até o fim da primeira quinzena de janeiro. De acordo com o Governo do Estado, a campanha de imunização está marcada começar já no dia 20, a depender das licenças da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Ao todo, serão vacinados 730.381 potiguares. As primeiras três fases do plano de vacinação no estado serão divididas entre grupos prioritários. A primeira vai contemplar 79.638 trabalhadores da Saúde, 133.621 pessoas de 75 anos ou mais e 2.447 indígenas. Na segunda fase, serão vacinadas 328.236 pessoas de 60 a 74 anos. Já na terceira, devem ser imunizadas 186.439 pessoas com morbidades.

Fonte: Agora RN

Postado em 23 de dezembro de 2020